Foram anunciados os estudantes selecionados na fase municipal da 7ª Olimpíada de Língua Portuguesa, que junto de seus professores, receberam premiação ontem, terça-feira (14).

A Olímpiada de Língua Portuguesa foi criada em 2002 pelo Itaú Social e o Centro de Estudos e Pesquisas em Educação, Cultura e Ação Comunitária (CENPEC), com o objetivo de contribuir para a melhoria da leitura e escrita de estudantes de escolas públicas brasileiras. O coordenador municipal da Olimpíada, Marcus Jorge Ferreira Fernandez, explica que o programa Escrevendo o Futuro transformou-se em política pública em 2008 por meio da parceria com o Ministério da Educação e a realização da Olimpíada de Língua Portuguesa Escrevendo o Futuro.

 A Olimpíada de Língua Portuguesa reconhece o trabalho de professores e estudantes do 5º ano do Ensino fundamental à terceira série do Ensino Médio de escolas públicas de todo o Brasil.

Em Turvo participaram quatro escolas, sendo que duas tiveram estudantes selecionados. Os relatos de práticas selecionados por categoria foram do estudante Emanuel Bardini Américo, da escola estadual Morro Chato na categorias poema; Laura Fernandes Matias da escola estadual Morro Chato em Memórias Literárias; Maria Eduarda Matias dos Santos  da escola estadual Morro Chato na categoria Crônicas;  Kailane Pizzoloto Minatto e Josiane D`ávila Cardoso da escola João Colodel na categoria Documentário e artigo de opinião. Os professores homenageados foram Maria Terezinha Magagnim, Patricia Tonetto Cadorin e Glória Severino Sartor.

O tema da 7ª edição neste ano de 2021 era “O lugar onde vivo”. A secretária de Educação, prof.ª Dr.ª Elizete Maria Possamai Ribeiro, agradeceu a participação de todos na Olimpíada, tendo a certeza de que são passos na formação de um cidadão comprometido com a sociedade e na conquista de saberes.

O prefeito, Sandro Cirimbelli, parabenizou escolas e estudantes pela conquista e participação nas Olimpíadas. Lembrou da responsabilidade e dificuldade em estudar língua portuguesa, mas quanto vale a pena estudar, sendo que cabe ao cidadão dedicar esforço, assim como ao poder público oportunizar condições.