A vida religiosa e os ensinamentos deixados por dom Paulo Evaristo Arns foram relembrados em noite de homenagens na Câmara de Forquilhinha. Os vereadores aprovaram uma moção de aplausos ontem, segunda-feira (13), em celebração ao centenário do frade franciscano. Uma lembrança foi entregue aos familiares do religioso, representado pelas sobrinhas Lilian Arns e Andreia Dassoler Vassoler Arns.

Nascido em Forquilhinha no dia 14 de setembro de 1921, dom Paulo Evaristo Arns apoiou ao lado da irmã, a médica Zilda Arns, a criação das Pastorais da Criança, da Pessoa Idosa e de DST/Aids na Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB).

“Fica o orgulho e a gratidão do povo Forquilhinhense pela história de amor, luta e fé dessa grande personalidade”, ressalta a vereadora Marilda Casagrande, propositora da homenagem.

Conhecido como ‘Cardeal da Esperança’, o religioso esteve à frente da Igreja em São Paulo entre os anos de 1970 e 1998, e morreu aos 95 anos no dia 14 de dezembro de 2016.

“Durante a Ditadura Militar, ele visitava os presos políticos como forma de preservar suas vidas” afirma o presidente da Câmara de Vereadores Célio Elias.

 No período da Ditadura haviam muitos criminosos, eles torturavam e até matavam por motivos de perseguição política em todo país. Dom Arns foi um cidadão que praticava resistência religiosa, defendendo os perseguidos e mais necessitados. Sempre com a bandeira do melhor para a maioria e contra políticas fascistas de perseguição e tortura.

Fonte: Portal Sul Notícias.