Universidade foi representada pelo ProFor Águas, em evento que discutiu a qualidade socioambiental dos municípios litorâneos catarinenses

A Unesc participou da I Conferência Zona Costeira de Santa Catarina, promovida pela Univali, em seu campus de Balneário Camboriú. A instituição foi representada pelo ProFor Águas (Projeto de Fortalecimento dos Comitês de Bacia Hidrográfica do Sul Catarinense), por meio do seu coordenador geral, prof. Carlyle Torres Bezerra de Menezes, que foi o moderador da mesa-redonda “Saneamento ambiental e governança das águas na Zona Costeira”. E do seu coordenador técnico, professor José Carlos Virtuoso, como palestrante.
Em desenvolvimento deste a segunda-feira (26/6), o evento reúne representantes de universidades e institutos de pesquisa catarinenses que desenvolvem estudos no âmbito da zona costeira. Em sua participação, Menezes, que também é coordenador adjunto e docente do Programa de Pós-Graduação em Ciências Ambientais (PPGCA) e docente do curso de Engenharia Ambiental e Sanitária, compartilhou sua experiência acumulada em diversos projetos de pesquisa e extensão desenvolvidos na região litorânea sul. Parte desses estudos foram desenvolvidos no âmbito do grupo de pesquisa, e no Laboratório de Gestão Integrada de Ambientes Costeiros, igualmente sob sua organização.
Por sua vez, Virtuoso abordou sobre a nova trajetória da Unesc como nova entidade executiva de comitês do sul catarinense. Atuação dentro de um novo modelo implementado pelo governo do Estado, por meio de edital 23/2022 da Fapesc, a partir do qual a instituição dá suporte técnico-científico aos comitês das bacias hidrográficas dos rios Tubarão e Complexo Lagunar, Urussanga e Araranguá e Afluentes do rio Mampituba. Em sua apresentação, ele destacou os desafios do projeto em trabalhar pela mobilização social e governança dos comitês para a efetivação das políticas hídricas na região.

Objetivos
I Conferência Zona Costeira de Santa Catarina teve como objetivo avaliar o estado da qualidade ambiental e bem-estar dos municípios costeiros catarinenses. E, a partir da discussão fomentada por 16 mesas-redondas e 90 palestrantes (da academia, do setor privado e sociedade civil organizada), discutir e entender os problemas e potencialidades do litoral catarinense, bem como estabelecer as bases de reflexão para a construção de um sistema de indicadores de qualidade ambiental, subsidiando a adoção de politicas públicas ao ordenamento territorial da zona costeira de Santa Catarina.