A safra 20/21 deve alcançar 12 milhões de toneladas, uma alta de 7,2%

A ministra da Agricultura Tereza Cristina disse que espera que os preços do arroz se equilibrem em janeiro quando começa a entrar a safra de Santa Catarina. Ela atribui a alta ao auxílio emergencial e aumento do consumo doméstico em função da pandemia. Como forma de baixar o preço o governo federal retirou a Taxa de Importação do Arroz (TEC) até o final do ano, limitado a 400 mil toneladas. De acordo com o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) o cereal acumula uma alta de 19,25% em 2020.

Por meio de sua rede social a ministra também assegurou que não há risco de desabastecimento do arroz. “Gostaria de pedir para vocês muita tranquilidade. Todas as vezes que eu vim aqui falar para vocês, em outras ocasiões, que tivemos alguns problemas com outros produtos, eu sempre fiz questão de dizer que nós não teríamos problema no abastecimento de todos os produtos que estão na mesa dos brasileiros”, disse.

Tereza Cristina destacou que as safras anteriores tiveram queda de área plantada em função da desvalorização de preços. De acordo com a Companhia Nacional de Abastecimento (Conab) a safra 20/21 deve alcançar 12 milhões de toneladas, uma alta de 7,2%.