Os profissionais da Secretaria de Saúde de Balneário Gaivota, e setores afins, vêm trabalhando exaustivamente no combate a pandemia do coronavírus e monitoramento dos casos, seja suspeitos ou confirmados, em compromisso com a população da cidade. Mesmo diante do número crescente de casos de covid-19 de forma mundial, Balneário Gaivota apresenta uma taxa de 76,7% de recuperados, conforme o Boletim Epidemiológico da Amesc de 2 de agosto de 2020. A faixa etária com maior incidência de casos é de 30 a 39 anos. Está em oitavo, entre as 15 cidades do  extremo sul, com 73 casos contabilizados no boletim divulgado dia 2.

Através do Plano de Contingência Municipal, a Secretaria de Saúde analisa a situação e faz as adequações necessárias. Uma das medidas para manter os números controlados é as barreiras sanitárias adotadas aos finais de semana e a fiscalização e orientação contínua nos estabelecimentos.

Os médicos de Balneário Gaivota esclarecem ainda dúvidas quanto ao tratamento clínico de covid-19. No que se refere ao uso de cloroquina/ hidroxiclorquina: conforme nota técnica do CREMERS, CREMESC e CFM a prescrição de medicamentos é ato médico, devendo ser respeitada a autonomia do profissional. Devido a situação excepcional da pandemia, é permitida a prescrição de cloroquina/ hidroxicloroquina para covid -19, desde que o paciente assine termo de consentimento, esteja ciente dos efeitos adversos e de que até o momento não há evidências que provem a eficácia destes medicamentos em pacientes com covid-19.

Os médicos citam ainda como ponto três que de acordo com o exposto acima, os médicos de Balneário Gaivota estão em conformidade com as notas técnicas da ANVISA, do CFM, da Associação de Medicina Intensiva Brasileira e Sociedade Brasileira de Infectologia, sendo prescrito o medicamento somente com assinatura de termo de consentimento e responsabilidade do paciente, porém lembrando que nenhum estudo até o momento comprovou o benefício destes medicamentos.

Em relação ao medicamento Ivermectina no tratamento do covid-19: novamente, deve ser respeitada a autonomia do médico na prescrição de medicamentos. Até o momento, apenas estudos in-vitro, em cultura de células, mostraram benefícios, não tendo comprovação, ainda, em estudos nem em animais, nem em pessoas, quanto ao tratamento de covid-19.

Segundo os médicos, por se tratar de medicamento antiparasitário, já usado há muito tempo para parasitas intestinais, sarna, piolhos, entre outras condições, é medicamento seguro para uso, com poucos efeitos adversos, porém não tem provas de que funcione no tratamento de covid-19

Os profissionais médicos da Secretaria de Saúde de Balneário Gaivota ainda lembram que o único tratamento comprovado para diminuir os novos casos na pandemia é o distanciamento social, evitar receber visitas de parentes ou amigos, e as medidas de higiene e segurança já exaustivamente comentadas pelos profissionais da saúde e pela mídia. Evitar aglomerações, evitar reuniões familiares e usar as medidas de higiene como máscaras e uso de álcool gel e lavagem correta das mãos.

Por último, devido a situação excepcional de pandemia, não há comprovação de tratamento efetivo para o vírus do covid-19, ainda. Os médicos de Balneário Gaivota estão atentos aos possíveis novos tratamentos e que o tratamento medicamentoso deve ser conversado e combinado com o seu médico assistente na hora da prescrição.