Última atualização:

A cultura do fumo preserva seu lugar de destaque entre as principais cadeias produtivas da agricultura nacional, de modo especial nos três estados do Sul do Brasil, que concentra 98% da produção do país. Em Santa Catarina, o tabaco é uma das atividades mais importante em número de pessoas empregadas na área rural: cerca de 60 mil propriedades dedicam-se a ela.

Agregar novas técnicas pode reverter em bons resultados e aumentar a expectativa para futuras safras. Este é o caminho e, é o que acontece na propriedade de Leandro Machado Pereira, morador da localidade de Sanga da Toca, em Araranguá. Pereira planta 120 mil pés de fumo, em uma área de 7,5 hectares, nos arredores de sua propriedade. Ele diversifica com mais sete hectares de batata-doce, outra renda extra, que para ele está dando bons resultados. “Com ajuda dos consultores da Cooperja, no manejo e cuidados com a lavoura, no ano passado plantei 2 hectares de cenoura e 2 hectares de melancia. Tive bons resultados e espero voltar a intercalar a safra de fumo com essas culturas”, destaca o cliente.

Leandro também explica que há três anos aposta no plantio de tabaco na palha, uma forma de manejo do solo que vem ganhando cada vez mais espaço na produção. “É um processo novo que apresenta maior rendimento e a planta vem mais forte, porém até a adaptação, achei difícil o manejo, mas tudo é questão de costume”, fala o agricultor.

Para dar conta do trabalho diário na lavoura, Leandro conta com o auxílio da esposa Maria Aparecida, que não mede esforços para o bom andamento da propriedade. Além da consultoria técnica da Cooperativa, a família utiliza produtos das Lojas Agropecuárias Cooperja, para o bom andamento da lavoura. “Compro os insumos que preciso na Cooperativa e conto sempre com bom atendimento do consultor, que me auxilia nos pedidos de mercadoria e quando tenho dúvidas”, explica.

Durante a safra o produtor recebeu visitas da engenheira agrônoma da Cooperja Scheila Ronconi Da Rolt, que acompanhada do consultor de vendas Marcos Paganini de Borba, prestaram assistência consultoria à lavoura. “Conheci o Leandro através do nosso consultor de vendas. Desde o início percebi que era um produtor diferente, empolgado em diversificar a propriedade e aumentar sua produtividade na cultura do fumo. Para isso ele investe em irrigação e cultivo sobre plantio direto na palhada. No ano passado precisávamos de um produtor que aceitasse o desafio de cultivar cenoura no Sul Catarinense, uma cultura nova e complexa de se trabalhar. Fizemos o convite onde ele e a esposa aceitaram e, não mediram esforços para produzir da melhor forma possível. Assim, colheram bons resultados”, elogia Scheila.